Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 3 de agosto de 2013

Récua tucana faz PCC virar CV e paga vadias para humilhar o balneário carioca -- Enquanto isso, o Amarildo rindo à toa com o amigo Armando...




PAINEL DO LEITOR

São Paulo, quinta-feira, 08 de março de 2001

"Mário Covas deixa o imenso legado de como fazer política com responsabilidade e seriedade. Um exemplo dessa filosofia pode ser comprovado por meio do seu importante apoio à Câmara Regional do ABC. Covas deixou de lado as diferenças partidárias das sete cidades da região num trabalho comprometido com nossas ações de caráter regional. O governador nunca permitiu que os interesses particulares de cada um ficassem à frente dos interesses coletivos." Celso Daniel, prefeito de Santo André (Santo André, SP)

"São Paulo e o Brasil perdem com um homem que fez da política um exemplo de austeridade e integridade. Barueri lamenta a perda de Mário Covas, cuja maior marca foi lutar por seus objetivos e pelo seu ideário." Gil Arantes, prefeito de Barueri (Barueri, SP) 

"Sobre o homem público Mário Covas, nada posso dizer que já não esteja gravado no coração e na mente de todos os que acreditam nos melhores valores da democracia e da política. Seu legado ilumina-se ainda mais pela sua audácia em lutar pela vida, que é o nosso maior bem e deve ser preservada a todo custo. É assim que interpreto sua derradeira luta e lhe agradeço por mais esta lição." Jair Meneguelli, deputado federal (PT-SP) (São Paulo, SP)

"E ainda dizem que Deus é brasileiro. Perdemos Juscelino Kubitschek, Tancredo Neves, Ulysses Guimarães, Franco Montoro e Mário Covas. Ficamos com FHC, Maluf, Jader Barbalho, Eurico Miranda, Ricardo Teixeira etc." Dorinato Gomes de Lima (Santos, SP) 

"Mário Covas está sendo superestimado, como foram Tancredo Neves, Franco Montoro, Ulysses Guimarães e outros coadjuvantes, que só viraram protagonistas porque a ditadura militar liquidou as grandes lideranças nacionais. Covas nunca teve verdadeira grandeza. Iniciou sua carreira defendendo os interesses retrógrados dos estivadores santistas e, no governo paulista, mais parecia um daqueles velhos guarda-livros obcecados em poupar cada centavo para as empresas. Se o Estado não tem nem um terço da rede metroviária ideal, isso se deve à longa hibernação sob um governador sem imaginação nem ousadia. Honestidade não é mérito, é apenas obrigação. E os mandatários devem exibir firmeza política, não bravatas pessoais. Enquanto Covas dava a cara para os professores baterem, as prisões viravam a "República do PCC". Com ele, São Paulo parou." Celso Lungaretti (São Paulo, SP) [Celso Lungaretti é colaborador desta nossa Agência Assaz Atroz]

"O dr. David Uip e sua equipe médica não perderam a batalha de Mário Covas. Eles conquistaram a gratidão dos brasileiros pelo exemplo de ética, dedicação e competência." Rose Carvalho (Divinópolis, MG) 

"A Social Democracia Sindical lamenta a perda do democrata Mário Covas, um líder por natureza e pela força de suas atitudes, exemplo de dignidade, austeridade, coerência e coragem. O meio sindical perde um grande companheiro de luta contra a ditadura." Enilson Simões de Moura , presidente da Social Democracia Sindical (São Paulo, SP) 

Mulher 
"Lamento que, no alvorecer do século 21, me veja obrigado a escrever esta mensagem. A violência contra as mulheres continua frequente. A prostituição forçada, a escravidão e a violência associada aos conflitos armados continuam presentes em todas as sociedades. A pobreza endêmica e a negação dos direitos humanos são causas fundamentais da violência. E, como sabemos, as vítimas da pobreza são principalmente as mulheres e as crianças. Nossa tarefa mais premente é, portanto, a erradicação da pobreza mediante políticas audazes que permitam aos desfavorecidos crescer com educação e trabalho digno. Trata-se de um trabalho árduo para o qual devemos mobilizar todas as nossas energias, capacidades e recursos. Transcorridos cinco anos desde a Conferência de Pequim, vemo-nos obrigados a reiterar que, se não tivermos em conta as capacidades intelectuais, o potencial criativo, as competências práticas e a capacidade de liderança de mais da metade da população mundial, não poderá haver desenvolvimento sustentável, nem no plano local nem no plano mundial. Rendo tributo às pessoas e às organizações que servem de inspiração e de guia para o caminho rumo à igualdade entre os sexos." Koichiro Matsuura, diretor-geral da Unesco (Paris, França) 

Suplicy 
"Em resposta à carta de Antônio José Gomes Marques ("Anjos", "Painel do Leitor", pág. A3, 6/3), gostaria de esclarecer que o senador Eduardo Suplicy foi à Casa de Detenção em atenção a um telefonema que recebeu, às 4h40, no qual várias pessoas que estavam nas celas do presídio pediram que ele fosse até o local com receio de que alguma coisa pior acontecesse. Cabe esclarecer que a preocupação maior do senador foi com os agentes penitenciários e com os familiares dos detentos que estavam como reféns." Rosa Wasem, assessora de imprensa do senador Eduardo Suplicy (Brasília, DF) 

Gaspari 
"Li com admiração a entrevista de José Maurício de Barcellos, ex-consultor jurídico da Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais, ao jornalista Elio Gaspari no domingo passado (Brasil, pág. A14). Parabéns aos dois, entrevistado e entrevistador. Ao primeiro, pela coragem na posição tomada e pelo amor e dedicação à CPRM. Ao segundo, pela objetividade e clareza na colocação das perguntas feitas. Nosso país seria ainda melhor se tais qualidades fossem exercidas por todos os homens públicos e pelos nossos agentes da informação. Carlos Oití Berbert (Brasília, DF) 

Cartunista 
"Queiram aceitar minha total indignação quando se comemoram os anos de existência da Folha. Teceram vários comentários e distribuíram elogios a mancheias para várias pessoas, dentre as quais alguns cartunistas. E o jornal, do qual sou assinante há anos, esqueceu-se do maior caricaturista e ilustrador que passou pelos jornais do Grupo Folha. Benedito Bastos Barreto, o Belmonte, foi um caricaturista reconhecido e reverenciado internacionalmente, além de cronista e ilustrador dos mais brilhantes. Muita gente comprava a Folha aos domingos principalmente por causa das maravilhosas ilustrações de Belmonte." José Luiz Pimentel Wutke (Campinas, SP) 

Horror e nojo 


"São impressionantes o "horror" e o "nojo" de FHC a CPIs. Creio que é medo. Medo de que aconteça com ele o mesmo que aconteceu com Collor. Mas por que tanto horror se não há nada a temer? O próprio ACM declara que FHC é um politico honesto. Não seria o caso de o principal mandatário do país dar o exemplo e mandar averiguar tudo e assim desmoralizar os detratores de seu honestíssimo governo?" Lourimbergue Veneno (Santos, SP) 
_________________________________________________________________________________



02/08/2013 

CATIA SEABRA
FLÁVIO FERREIRA

DE SÃO PAULO

A multinacional alemã Siemens apresentou às autoridades brasileiras documentos nos quais afirma que o governo de São Paulo soube e deu aval à formação de um cartel para licitações de obras do metrô no Estado.

A negociação com representantes do Estado, segundo a Siemens, está registrada em "diários" apresentados pela empresa ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

No mês passado, a gigante da engenharia delatou ao órgão a existência de um cartel --do qual fazia parte-- para compra de equipamento ferroviário, além de construção e manutenção de linhas de trens e metrô em São Paulo e no Distrito Federal.

Em troca, a empresa assinou um acordo de leniência que pode lhe garantir imunidade caso o cartel seja confirmado e punido.

A formação do cartel para a linha 5 do metrô de São Paulo, de acordo com a Siemens, se deu no ano de 2000, quando o Estado era governado pelo tucano Mário Covas, morto no ano seguinte.

Segundo o Cade, o conluio se estendeu ao governo de seu sucessor, Geraldo Alckmin (2001-2006), e ao primeiro ano de José Serra, em 2007.

Secretário de transportes no governo Covas, entre 1995 e 2001, Cláudio de Senna Frederico afirmou que não teve conhecimento da formação de cartel, mas não o descartou. "Não me lembro de ter acontecido uma licitação, de fato, competitiva", disse.

O governo Alckmin diz que, se confirmado o cartel, pedirá a punição dos envolvidos. Serra não foi localizado.

Documento entregue pela Siemens aponta o suposto aval do governo em favor de um acerto entre empresas para a partilha da linha 5, em trecho hoje já em operação.

Chamado de "grande solução", o acerto era, segundo os papéis, o desfecho preferida pela "secretaria" [de transportes] por oferecer "tranquilidade na concorrência".

Consistia em formar um consórcio único para ganhar a licitação e depois subcontratar empresas perdedoras, o que, de fato, ocorreu.

No documento, de fevereiro de 2000, os executivos da Siemens descrevem reuniões para a costura do cartel.

Numa delas, é relatado que "o fornecimento dos carros [trens] é organizado em um consórcio 'político'. Então, o preço foi muito alto".

"Consórcio combinado, então, é muito bom para todos os participantes", relata um executivo da Siemens.

A Siemens diz que um acordo permitiu ampliar em 30% o preço pago em outra licitação para manutenção de trens da CPTM.

__________________________________________________________________________________

Integrante do AfroReggae morto a tiros é enterrado no Rio



A polícia investiga o assassinato de um jovem [o Magrão] integrante do AfroReggae, em frente de casa, em Realengo, na zona oeste do Rio. O enterro aconteceu neste domingo (16)[17/12/2012]



Eles cumprem pena em Catanduvas, no Paraná. Escutas telefônicas, autorizadas pela Justiça, podem ligar os dois aos atentados contra as sedes do grupo AfroReggae, no Rio de Janeiro.




quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Haddad e Paes no Rio e São Paulo para os homens de boa vontade -- Vadias vandálicas vazam a vulva




A Marcha das Vadias e os Exageros

Carlos Alberto Lungarzo*



Como muitas outras pessoas, não gostei de alguns fatos acontecidos durante esta última versão da Marcha das Vadias no Rio de Janeiro. Creio que o ato de destruir ícones de uma crença, religiosa ou não, mesmo que sejam fetiches, mostra certo mal gosto, evidencia tendência agressiva contra os que, por identidade cultural ou quaisquer outros tabus, os veneram, e constituem um alvo fácil para os inimigos dos direitos sexuais, de gênero e de reprodução. Outrossim, tiram a beleza de um ato naturalista, em que pessoas seminuas desfilaram três vezes em quase todo o mundo (2011, 2012 e agora), reivindicando os valores emocionais e biológicos da espécie humana, e mostrando sua indiferença por uma falsa origem transcendente dos mesmos.

Em síntese: discordo com esse ato isolado dentro do movimento Slutwalk  que agrupou em todo o mundo, milhares de pessoas. Com efeito, o tamanho não é um argumento válido para a provocação, embora seus inimigos (os mobilizadores de grandes hordas de superstições de todas as crenças) achem o oposto.

Digo isto último, porque alguns dos detratores da Marcha das Vadias, falam do desrespeito aos milhões que apoiam o Papa. Essas pessoas talvez desconheçam quantos milhões apoiam o aborto, mesmo em teocracias disfarçadas como a Itália. (O último plebiscito a favor do aborto na Itália foi ganho por mais de 70%)

Veio à minha cabeça escrever esta nota, quando li o Blog de um conhecido jornalista do mais sensacionalista e inescrupuloso canal de TV de toda a mídia brasileira. Ele se esbalda em insultos contra as mulheres da Marcha, as quais acusa não apenas de intolerância, mas de serem fascistas (sic!?), e termina com uma mensagem mal dissimulada, onde disse que esse movimento já deveria ter desaparecido. Ou seja, sob uma imagem de respeito aos ofendidos e de indignação com as ofensoras, o jornalista manda um recado aos muitos que têm vontade de entrar na marcha com canivetes e “punhos ingleses”, como já fizeram neste país diversas bandas de verdadeiros fascistas (skinheads e outros).

Vários jornalistas querem evitar serem acusados de parcialidade, dizendo, no proêmio de seus artigos, que são ateus, mas respeitam a fé dos outros. Pessoalmente, não tenho certeza que ser ateu, isoladamente, sem outro predicado, seja uma virtude tão essencial como para permitir propagar a censura. Embora seja condição necessária, não é suficiente, para uma verdadeira posição humanista:

Por acaso, não eram ateus Stalin, Mao-Tse Tung, nosso FHC e muitas outras figuras históricas cujo legado não foi, certamente, humanista?

Aliás, há um problema que vai além de considerações éticas difusas e entram no campo da lógica: Onde está o limite entre a livre manifestação de repúdio e o vandalismo? Nenhuma das notícias que eu li (posso ter lido de maneira pouco rigorosa) dizia que os ícones tivessem sido tirados dos templos, o que, certamente, seria furto. Alguns jornalistas dizem que os crucifixos já eram carregados pelas/pelos manifestantes.

Pergunto, apenas: os milhares de resistentes antinazistas que em 1945 pisaram cruzes suásticas e estandartes das SS, estavam cometendo o mesmo crime? Pode argumentar-se que o nazismo propagou a violência e o atual papa prega a paz. Mas, então, será que uma fé ou uma ideologia deve ser julgada apenas por um de seus representantes numa circunstância específica? A história dessa crença e seu papel global não interessam?

Parece sensato indicar que o limite entre crítica, mesmo escrachada, e intolerância, está no limiar em que você passa a dificultar o exercício público da fé alheia. Isto seria acontecido se a Marcha tivesse colocado algum empecilho ao movimento dos peregrinos. Os jornalistas, que não perderam nenhuma oportunidade de bajular o Vaticano, não dizem, em nenhum veículo que eu tenha lido, que as Vadias lançassem pedras ou qualquer outra coisa contra os peregrinos que estavam do lado oposto na rua.

Não quero deixar a mínima dúvida. Repudio este ano de deboche de destruir estátuas ou crucifixos, e me envergonho de que pessoas tão vulgares (que, não obstante, eram minoria na marcha) ofereçam uma imagem tão grosseira e fraca de um pensamento de esquerda, como é a luta pela liberdade sexual.

Meu repúdio é porque este ato cria uma animosidade desnecessária, constrange as pessoas supersticiosas que atribuem propriedades sagrada a estes objetos (e têm direito ao fazê-lo, pois cada um de nós tem direito a sua patologia íntima), e dá uma imagem de fraqueza. Por que, se acreditamos, como eu e muitos outros, que aqueles objetos são simples fetiches para exacerbar o totemismo das massas supersticiosas, os destruímos como se eles tivessem algum valor real?

Mas, este repúdio não significa ignorar (muito menos coincidir com) as verdadeiras intenções de muitos ateus que criticaram isto. Seu objetivo é mostrar que os defensores da liberdade reprodutiva e sexual são um bando de malucos, e, portanto, mesmo os grandes ateus da direita, acham mais profícuo defender ou papa e os evangélicos (que também se opõem ao aborto). Afinal, são essas massas as que podem dar votos.

Finalmente, lanço uma pergunta:

Estes jornalistas criticariam também as caricaturas dinamarquesas contra Maomé, as “brincadeiras” (brilhantes, por sinal) de Salman Rushdie, ou a peça teatral “O Vigário” de Hochhuth?

Qualquer uma delas teve maior difusão que a quebra de algumas estátuas no Rio de Janeiro por pessoas exaltadas, e qualquer uma delas ofende mais profundamente a religião. Sem dúvida, Pio XII se importou mais de que provaram que era nazista de que se tivessem destruído alguns ícones católicos na Via Ápia.

_________________________________________________________________________________

*Carlos Alberto Lungarzo foi professor titular da UNICAMP até aposentadoria e milita em Anistia Internacional (AI) desde há muitos anos. Fez parte de AI do México, da Argentina e do Brasil, até que esta seção foi desativada. Atualmente é membro da seção dos Estados Unidos (AIUSA). Sua nova matrícula na Organização é de número 2152711. Colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz 

_________________________________________________________________________________

Leia também...


29 DE JULHO DE 2013

Marcha das Vadias contra o papa: a lógica “interna” do feminismo

(...)

Toda ameaça massificada, onipresente e diversificada assim só pode ser combatida com leis draconianas contra o grupo tido como ameaçador e um poder de Estado policial cada vez mais capaz de invadir até as opiniões, crenças, palavras e pensamentos dos humanos postos em outro grupo (já se tem uma dica das intenções iniciais e conseqüências imprevistas do feminismo 2.0 a partir daí).

É exatamente o que faz a Marcha das Vadias.

marcha das vadias santa Marcha das Vadias contra o papa: a lógica interna do feminismo O alvo da vez foi a Igreja Católica, durante a visita do papa Francisco ao Brasil. No meio de um passeio da Jornada Mundial da Juventude, um grupo de manifestantes da Marcha das Vadias achou por bem “protestar” no meio do evento religioso (público e com todas as idades presentes), tirar a roupa e, como meio de manifestação, usando o termo mais científico possível, “evaginar” uma imagem de Nossa Senhora, a mesma santa católica chutada por um pastor da Igreja Universal na TV.
O objetivo declarado e o objetivo verdadeiro urgem serem distinguidos. Não se trata de uma “científica”, digamos, “encenação” contra a religião, contra símbolos ultrapassados, contra o machismo. O manifesto foi apenas ofensa gratuita, violência a qualquer senso ético e estético, atentado ao pudor e ultraje a culto. Se fosse mesmo apenas uma manifestação de ateísmo dawkiniano, poderíamos supor que a Marcha das Vadias teria como próximo ato fagocitar por algum orifício que caiba uma imagem da negra Iemanjá, no meio de algum culto de candomblé. Sabe-se que não será o caso.
A manifestação, ainda que as próprias manifestantes e apoiadores não saibam, visa dividir grupos que ontem sentavam-se na mesma mesa, para enxergá-los apenas como coletivos ameaçadores – pedindo proteção estatal contra aquele que deve ser excluído do futuro glorioso.
O feminismo (e muitos outros “-ismos” que parecem uma simples idéia aglutinadora) marca território fortalecendo o grupo interno, tratando todos os que são de fora do grupo não comoseres humanos, mas como uma massa homogênea, anônima e bestial de inimigos que precisam ser silenciados, sabe-se lá por quais métodos (ou, no fim, sabe-se muito bem).
(Para ler artigo completo, clique no título)
_________________________________________________________________________________



Toneladas de livros novos, edições 2009, que deveriam ser distribuídas entre os alunos de escola da Rede Estadual de Ensino Público do Estado de São Paulo foram jogadas no lixo 

Veja o vídeo no blog NaMaria News, especializado nas questões de educação no governo Serra. Lá você encontrará muitas matérias tratando de graves problemas ocorridos nessa administração. 

Observe, no vídeo, que a apresentadora do programa, para esconder a cara de Serra (que não é citado na reportagem, nem ele nem o secretário de Educação do Estado), diz que foram livros da ".. rede estadual de Ribeirão Preto". Putz! 

Entrevistaram a vice-diretora da escola (pegaram a coitada de "bucha"). Ela ficou nervosa e descarregou dizendo: "Deve ser aluno que jogou". 

Leia mais em...

Não pague pra ver, aqui você tem uma amostra grátis de como seria o Brasil nas mãos de Serra





_________________________________________________________________________________

De  Para a PressAA

LEIA E OUÇA

Folha lança recurso que permite ouvir o texto

 



_________________________________________________________________________________


Nova Parceria: Autor Alfredo Karras

Buenas leitores,

Hoje com muita felicidade trago uma novidade aqui no Entre ser…e não ser, um novo parceiro o autor Alfredo Karras.

Alfredo, sim tomo essa liberdade de chama-lo dessa forma, porque ele é um amigo muito querido, eu já conhecia seus trabalhos de chargista, que diga-se de passagem, são um melhor que o outro. Tive a oportunidade de ler em primeira mão seu livro que será lançado pela Editora DeusesO Falcão e o Vento, um livro maravilhoso, mas esse é um outro assunto, logo mais a resenha estará aqui.

Então sem mais enrolação apresento-lhes Alfredo Karras, Escritor, Chargista e meu Amigo…

alfredoAlfredo Karras, nasceu em 17/05/72 em Santos /SP, é escritor, cartunista e comentárista, começou a carreira de cartunista em Cubatão/SP, onde viveu a maior parte de sua vida. Atuou como chargista em vários semanários do litoral de SP, entre eles o Gazeta da Praia Grande, Reação Popular, e Acontece onde hoje ainda presta serviços.

Em dezembro de 2007, Karras foi baleado, durante um atentado, o projétil alojou em seu pescoço deixando o paraplégico e com outras sequelas, mesmo assim ele não se abalou e continua com seus trabalhos de cartunista Freelancer.


Como escritor tornou o primeiro brasileiro a publicar um livro virtual por uma editora estrangeira (2009), seu livro “SER”veiculado em inglês e português pela editora australiana Smink Works Books.

Seu livro O Falcão e o Vento, é uma obra anterior que será lançada agora em 2013 pela editora Deuses, O Falcão e o Vento é uma Fábula e como tal aborda as essências da alma como o amor, coragem, o medo e tantos outros sentimentos que regem a vida, uma trama cheia de reviravoltas e com um final de tirar o fôlego.

Primeiramente eu digo desde já que o livro é muito bom, tive a oportunidade de ler, e tenho certeza que agradará muito leitores. Uma lição de vida, que só uma pessoa tão iluminada como Karras é capaz de escrever.

Aqui eu deixo minhas boas vindas meu amigo, que possamos divulgar tantos outros livros futuros, que tenho certeza que junto com a Editora Deuses, você irá lançar!

_________________________________________________________________________________



O próximo filme que você vai assistir em casa talvez esteja aqui. 

Documentários, filmes clássicos, produções  premiadas de grandes diretores brasileiros e estrangeiros. Confira!

Acompanhe as novidades em nossa página no Facebook

Isto Não é Um Filme
O Homem Que Não Dormia 
Chevolution 
Tropicália 
Raul: o Início, o Fim e o Meio 
Poesia
Feliz que Minha Mãe Esteja Viva 
O Assassinato de Trotsky 
A Onda 
Suíte Havana 
Deus e o Diabo na Terra do Sol 
Encontro com Milton Santos ou o mundo global visto do lado de cá 
O Incrível Exército de Brancaleone 
Lanternas Vermelhas 
A Bela da Tarde 

Tem mais, muito mais....

Receba em casa  12 edições com preço reduzido. Assine Caros Amigos.

_________________________________________________________________________________

Wi-Fi grátis em praças de SP começa a operar em outubro, diz Prefeitura 

10/05/2013 

[AA: Veremos se Haddad vai cumprir o que diz, ou vai fazer como Serra, que garantiu que cumpriria o mandato e acabou dando cano nos paulistanos]


Pateo do Collegio será um dos pontos beneficiados (Foto: Arquivo/Ardilhes Moreira/G1)

Prefeitura quer contratar empresas para oferecer conexão em 120 pontos.

Sinal será oferecido em praças, ruas, parques e terminais de ônibus.


__________________________________________________


São Paulo: Praças Digitais - Hoje às 14hs teste da internet gratuita


Jueves, 01 de Agosto de 2013 

______________________________________________________________


Redação em 31 de julho de 2013

Sinal de wi-fi será teste para o projeto Praças Digitais, que começa a valer em outubro

______________________________________________________________



_________________________________________________________________________________

Rio-São Paulo via Portal G1


INÉDITO! Veja o que responderam os prefeitos Eduardo Paes, do Rio de Janeiro, e Fernando Haddad, de São Paulo, em trechos que deixamos especialmente para você ver aqui, da entrevista que foi ao ar nos dois programas anteriores do Cidades e Soluções.

A sustentabilidade está presente na grade curricular das escolas municipais?

2ª parte do programa com os prefeitos do Rio e SP

_____________________________________________________________________________


Prefeitura reinaugura telecentro para incentivar inclusão digital no Barreto

Espaço, com duas salas e 11 computadores, terá cursos de informática, oficinas, acesso livre à internet e cursos ao vivo via satélite. Outros serão reativados em Niterói até 2016

A Prefeitura de Niterói reinaugurou na terça-feira o telecentro Firmino Marsico Filho, localizado no Parque Palmir Silva, no Barreto, Zona Norte da cidade. Após ter ficado anos fechado, este será o primeiro dos 20 telecentros que serão reativados até 2016, através do Programa Niterói Digital, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia.
_________________________________________________________________



Mundana


_________________________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

______________________________________________

PressAA


.